DESTAQUE

A Terra girou mais rápido em 2020 do que em qualquer outro ano desde 1960

Por
12 de Janeiro de 2021
Nosso planeta está girando mais rápido ultimamente.
Créditos: NASA

O planeta Terra teve 28 dias mais curtos em 2020. Para cientistas, 2021 será ainda mais reduzido.

Em 2020, a Terra bateu um recorde: fez sua rotação mais rápida desde 1960, quando relógios atômicos precisos foram lançados, em 28 dias diferentes. Nosso planeta faz sua rotação a cada 86.400 s (24 horas). Existem dias, porém, que pode ter uma variação em milissegundos, motivo por trás do fenômeno do “dia mais curto”, devido a fatores como a pressão atmosférica, ventos e correntes oceânicas.

De acordo com o site Time and Date, a Terra registrou esse fenômeno 28 vezes em 2020. Em 19 de julho de 2020, aconteceu o dia mais curto de todos, com a Terra completando sua rotação 1.4602 ms mais cedo do que o normal. Antes disso, o dia mais curto registrado foi por volta de 15 anos atrás, em 05 de julho de 2005. O Tempo Universal Coordenado (UTC), fuso horário de referência para todas as zonas horárias do mundo, é ajustado por cronometristas internacionais quando o tempo de rotação da Terra se diferencia em 0.4 s do UTC.


Variação da duração do dia ao longo de 2020. A duração do dia é mostrada como a diferença em milissegundos entre a rotação da Terra e 86.400 segundos.
Fonte: timeanddate.com

Para fazer a regularização, eles adicionam um segundo bissexto ao final dos meses de junho ou dezembro. Na véspera de 2017, por exemplo, tivemos um segundo a mais antes de dizer adeus ao ano de 2016. Cientistas acreditam que 2021 será ainda mais curto, tão curto que é possível que um segundo seja retirado ao invés de adicionado. A expectativa é que os dias astronômicos deste ano tenham, em média, 0.5 ms a menos. Isso significa que, ao longo do ano, teríamos por volta de 19 ms a menos no tempo astronômico.

“É bem possível que um salto negativo seja necessário se a taxa de rotação da Terra aumentar ainda mais, mas é muito cedo para dizer se isso é provável que aconteça”, disse o físico Peter Whibberley, do Laboratório Nacional de Física do Reino Unido, ao jornal The Telegraph. Peter também disse que a discussão do segundo bissexto negativo pode levar a extinção da técnica de adicionar segundos bissextos.

Fonte

Já está no ar a Edição 254 da Revista UFO. Aproveite!

Janeiro de 2018

Nas profundezas da Terra